Brasil entra na lista suja da OIT por violação de direitos

A reforma do governo Temer, o mais forte ataque aos direitos trabalhistas em nosso País, levou a Organização Internacional do Trabalho (OIT) a incluir o Brasil na sua ‘lista suja’, formada pelos 24 países que mais violam direitos de trabalhadores.

O Comitê de Peritos da OIT anunciou a decisão terça (29), durante a 107ª Conferência Internacional do Trabalho, em Genebra, Suíça. Para a entidade integrante da ONU, o Brasil apresenta problemas graves com relação à liberdade sindical e na aplicação das suas convenções.

Houve forte resistência empresarial e, por parte do Itamaraty, forte lobby buscando evitar que o País figurasse como um dos piores violadores de normas de proteção internacional com as quais se comprometeu. Mas a pressão fracassou.

Agora, a Comissão de Aplicação de Normas irá avaliar o caso do governo brasileiro nas próximas semanas. Segundo disse o advogado trabalhista Hélio Gherardi à Agência Sindical, na prática, o governo será obrigado a responder sobre as violações de normas das quais o Brasil é signatário, o que gera constrangimento internacional.

“É uma vergonha para o País. Mas, do jeito que fizeram essa reforma – retirando tantos direitos do trabalhador e tentando acabar com os Sindicatos – não poderia acontecer coisa diferente. O Brasil fica mal em relação a outros países”, comenta.

O jurista avalia que a decisão da OIT, anunciada no momento em que o País vive crise intensa, devido ao protesto dos caminhoneiros, “agrava profundamente a situação política do governo”. Aponta o dr. Gherardi: “O movimento sindical precisa aproveitar isso e exigir a revogação de dispositivos da reforma que lesam os trabalhadores”.

Para o presidente da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho, Guilherme Feliciano, “a notícia consterna, mas não surpreende”. Ele diz: “A Anamatra alertou, desde o início da tramitação do projeto de lei, para os riscos de uma alteração legislativa tão restritiva e mal construída, sem o necessário diálogo com a sociedade civil organizada”.

Nota – Por meio de nota divulgada em Genebra, CUT, Força Sindical, UGT, CTB, Nova Central e CSB analisam que a inclusão do Brasil na lista suja é resultado de uma política de brutal exploração dos trabalhadores. Elas cobram que o governo “reconheça a gravidade do erro cometido e faça a revogação imediata da reforma trabalhista”.

Fonte: Agência Sindical

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out LoudPress Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out LoudPress Enter to Stop Reading Page Content Out LoudScreen Reader Support
Abrir Whatsapp
1
Precisa de ajuda?
Olá! Podemos lhe ajudar?